O trabalho em rede na América Latina é um ecossistema tropical, a partir do interior de sua arquitetura convivem indivíduos e grupos auto-organizados em microestruturas: nômades, assimétricas, imprevisíveis e mutáveis.

Rosa Apablaza Valenzuela

 
palavras-cruzadas-0609_652x408

palavras-cruzadas-0609_652x408

BIJARI-PRACAS-IM-POSSIVEIS-01

BIJARI-PRACAS-IM-POSSIVEIS-01

BIJARI-RESISTENCIA-01

BIJARI-RESISTENCIA-01

BIJARI-PONTE-ANHANGABAU-01

BIJARI-PONTE-ANHANGABAU-01

IMG_4696

IMG_4696

cópia_de_P1010002

cópia_de_P1010002

DSC_0461 (1)

DSC_0461 (1)

IMG_4536

IMG_4536

_DSC1011

_DSC1011

cópia_de_DSC05619

cópia_de_DSC05619

cópia_de_gazebo3

cópia_de_gazebo3

DSCN1450

DSCN1450

DSC_0098o (1)

DSC_0098o (1)

009_32x49_jdas (1)

009_32x49_jdas (1)

cópia_de_IMG_0277

cópia_de_IMG_0277

carrinho7portas (1)

carrinho7portas (1)

BIJARI-CARRO-VERDE-01

BIJARI-CARRO-VERDE-01

opavivara_1340992381

opavivara_1340992381

429922_2542702821863_394537395_n

429922_2542702821863_394537395_n

02-_66A2716

02-_66A2716

Praças Im-possíveis - Bijari
Praças Im-possíveis - Bijari
press to zoom
Ponte Anhangabaú - Bijari
Ponte Anhangabaú - Bijari
press to zoom
Resistência - Bijari
Resistência - Bijari
press to zoom
Carro Verde - Bijari
Carro Verde - Bijari
press to zoom
1/1

BIJARI é um centro de criação em artes visuais e arquitetura cuja prática se situa na intersecção arte urbana e a cidade. 

Desenvolvendo projetos em diferentes suportes e tecnologias, o grupo propõe a criação de imagens disruptivas e ações provocadoras que confrontam a pretensa normalidade do cotidiano urbano.

Seja desenhando posters e cartografias, projetando videos em escala urbana ou criando intervenções pelas ruas de São Paulo, o Bijari busca ocupar as fendas entre o público e o privado, o oficial e o ilegal, o centro e a periferia no intuito de reconfigurar novos territórios políticos e poéticos.

O Bijari foi formado em 1997 por Geandre Tomazoni, Gustavo Godoy, João Rocha, Maurício Brandão, Olavo Ekman e Rodrigo Araújo

 
EIA
EIA
press to zoom
EIA
EIA
press to zoom
EIA
EIA
press to zoom
EIA
EIA
press to zoom
1/1

O EIA, Experiência Imersiva Ambiental, é um coletivo artístico auto-gestionado, criado em 2004, formado por pessoas que têm em comum a necessidade de problematizar de forma lúdica e relacional os modos de vida no ambiente urbano. Desde sua criação, o EIA já promoveu 4 grandes festivais de arte urbana, além de ações como oficinas em centros culturais, criação de dispositivos relacionais, entre outros. Completando 12 anos em 2016, o EIA desenvolve frentes de ação que fazem convergir temáticas como arte, tecnologia, urbanismo, comunicação, meio ambiente, antropologia urbana, movimentos sociais entre outros. Estamos em sintonia com redes de pessoas, organizações e demais iniciativas comprometidas com a criação no aqui e agora de formas de vida mais alegres, colaborativas e inventivas.

 
GIA
GIA
press to zoom
GIA
GIA
press to zoom
GIA
GIA
press to zoom
GIA
GIA
press to zoom
1/1

GIA - Grupo de Interferência Ambiental , coletivo formado por artistas visuais, designers, arte-educadores e músicos que moram e trabalham em Salvador-BA. O grupo formou-se em 2002, e atualmente conta com 6 integrantes (Luis Parras, Everton Marco, Cristiano Piton, Ludmila Britto, Tininha Llanos e Mark Dayves). Desde então, propõe intervenções nas ruas das cidades, ações que tencionam questões sócio-políticas, relacionadas ao espaço público na maioria das vezes, e a maneira como os transeuntes lidam com esses elementos em seu cotidiano. Para o GIA, é importante que suas ações funcionem como dispositivos aglutinadores, para que as pessoas entrem em contato com o grupo e suas ações de uma maneira inusitada, instaurando aquilo que Nicolas Bourriaud chama de utopia de aproximação: um estar-junto que rompe com um viver cotidiano automatizado.

 

Grupo EmpreZa

Grupo EmpreZa - Vesúvio - 2o. Serão -5
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 2o. Serão -5
press to zoom
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 4o. Serão -14
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 4o. Serão -14
press to zoom
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 4o. Serão -3
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 4o. Serão -3
press to zoom
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 2o. Serão -6
Grupo EmpreZa - Vesúvio - 2o. Serão -6
press to zoom
1/1

Fundado em 2001, inicialmente como grupo de estudo e pesquisa em performance arte, o Grupo EmpreZa (GE) possui hoje um vasto repertório de ações performáticas, happenings e produções audiovisuais e fotográficas. Vários artistas já passaram pela formação do GE, que atualmente é formado pelos membros-integrantes, Aishá Kanda, Babidu, Helô Sanvoy, João Angelini, Marcela Campos, Paul Setubal, Paulo Veiga Jordão, Rava e Thiago Lemos - ainda operando o interesse pelas invenções e expansões do corpo, que se mantêm com significativa reverberação nas pesquisas do grupo, atuante há mais de treze anos a partir do Centro-Oeste do Brasil, com integrantes espalhados, em sua maioria, pelo estado de Goiás e no Distrito Federal. Movidos por intensa curiosidade em relação aos modos de produção de linguagem e de sensibilidade do corpo, o Grupo EmpreZa parte de seu corpo-coletivo – a conjunção dos muitos artistas que formaram e contribuíram para a história do grupo – para pensar a performance, a arte e os lugares simbólicos em amplas dimensões. Na constituição desse corpo-coletivo, desde o início de sua trajetória, o Grupo EmpreZa reúne um repertório absolutamente não trivial de corpos: não necessariamente oriundos do mundo das “artes do corpo” ou das “artes do movimento” – os emprezários e emprezárias enfatizam a diversidade dos corpos a cada gesto, cada som e cada movimento. Ativando, assim, concepções plurais de subjetividade e mundo, revelando, ainda, um aspecto crucial acerca da convivência no seio da multiplicidade subjetiva da vida: as relações de co-dependência. Tônica vertebral da produção do GE. Em algumas das ações que lidam com a dependência, corpos diferentes se transformam em unidades que exploram não somente os limites da individualidade, como também problematizam esses limites a partir da perspectiva do espaço, então compartilhado. Cientes da não solidão dos corpos, de modo antropófago, o Grupo EmpreZa institui situações de devoração, como na ambígua frase "Eu como Você", que intitula um de seus manifestos.

 
press to zoom
press to zoom
madeirista3
madeirista3
press to zoom
press to zoom
1/1

O Coletivo Madeirista é um grupo multidisciplinar de artistas que reunem-se para  produção e discussão de arte contemporânea, com trabalhos na área de literatura, net.art, poesia visual, fotografia, performance, site-specific, intervenções urbanas e vídeo-arte. Todos os artistas participantes residem e trabalham em Porto Velho, Rondônia, Sul da Amazônia, Brasil.

 
ocupeacidade
ocupeacidade
press to zoom
ocupeacidade
ocupeacidade
press to zoom
ocupeacidade
ocupeacidade
press to zoom
ocupeacidade
ocupeacidade
press to zoom
1/1

O coletivo ocupeacidade teve início em 2006 com a proposta de unir pessoas interessadas em produzir – coletivamente –  ações artísticas nos diversos espaços da cidade. Ao longo dos anos foi somando outras práticas e técnicas ao seu percurso e atualmente se dedica também ao projeto zerocentos publicações: uma editora voltada para publicações artesanais e independentes, onde são utilizadas uma série de ferramentas de impressão, reprodução de imagens e recursos gráficos artesanais.

 
OPAVIVARÁ
OPAVIVARÁ
press to zoom
OPAVIVARÁ
OPAVIVARÁ
press to zoom
OPAVIVARÁ
OPAVIVARÁ
press to zoom
palavras-cruzadas-0609_652x408
palavras-cruzadas-0609_652x408
press to zoom
1/1

OPAVIVARÁ! é um coletivo de arte do Rio de Janeiro, que desenvolve ações em locais públicos da cidade, galerias e instituições culturais, propondo inversões dos modos de ocupação do espaço urbano, através da criação de dispositivos relacionais que proporcionam experiências coletivas. Desde sua criação, em 2005, o grupo vem participando ativamente no panorama das artes contemporâneas.

 

rede[aparelho]

Grupo Aparelho
Grupo Aparelho
press to zoom
Grupo Aparelho
Grupo Aparelho
press to zoom
Grupo Aparelho
Grupo Aparelho
press to zoom
Grupo Aparelho
Grupo Aparelho
press to zoom
1/1

A Rede [aparelho]-: vem ao longo dos anos realizando encontros e espaços de lazer, imbuídos pelo interesse em compartilhar informação nas ruas para os que circulam no entorno a fim de veicular a produção de uma cultura livre e aberta, possibilitando um convívio entre comuns. Montado nas ruas de forma ambulante, um sistema simples de transmissão sonora e visual buscava relacionar-se diretamente com grupos culturais, politicos e/ou artísticos que configuram cenas específicas em diversos pontos da cidade, tais como feiras livres, praças, terreiros etc. As ações provocavam o envolvimento e reconhecimento do público ao propor uma alternativa de distribuir informação e mídia mais aproximada à sua realidade cultural, e por dentro do seu território, através de participações ao vivo, entrevistas e depoimentos, transmissão radiofonica, reprodução de vinhetas, vídeos e fotografias digitais. Utilizamos das tecnologias possíveis, a re-produção de um certo fluxo de informações por aproximação com movimentos sociais e comunidades locais. Os encontros conectaram esses redários territoriais, por fruição e experimentação social conduzidos por artistas, militantes/ativistas , mães e pais de santo, etc.  configurando troca mútua e solidária ao produzir e transmitir conteúdos de forma documental e digital, conduzindo uma verdadeira networking baseada nas especificidades e limitações (tecnológicas) locais.

 
Hub Livre
Hub Livre
press to zoom
Hub Livre
Hub Livre
press to zoom
Hub Livre
Hub Livre
press to zoom
Hub Livre
Hub Livre
press to zoom
1/1

HUB Livre

O grupo escolheu a praça Roosevelt para suas o início das suas ações através do Edital Redes e Ruas (Parceria entre as Secretarias Municipais de Cultura, Direitos Humanos e Serviços) . A diversidade e o histórico político e artístico estão na raiz desta escolha. Atuamos com outros grupos que estão organizados ali e com os frequentadores, moradores e atores sociais do entorno da praça. A programação foi divida em seis ações na Praça Roosevelt e é composta por oficinas, aulas públicas, cinema de rua, construção de mobiliário, programas de web tv e web radio, entre outras atividades que já acontecem no centro independente de qualquer apoio por edital. Com isso busca­se estimular uma cultura da prototipia, uma cultura da invenção, que altera o lugar do sujeito como um consumidor de informação para o sujeito participante de uma ação. Como temática Central para a criação de conteúdo temos como referência as “Figuras Subjetivas da Crise” ­ do livro “Isto não é um manifesto” de Antônio Negri: o endividado, o mediatizado, o securitizado e o representado.